Aqueles que não acreditam em mágicas, nunca irão encontrá-la.

quinta-feira, 8 de março de 2012

ULALALA!!! Ser mulher com M maiúsculo...

foto Rafael Cusato
Maria Auxiliadora Ramos na certidão. Dora Ramos no tra- balho. Dorinha para os íntimos. Aos 42 anos, esta jovem contadora organiza a vida financeira de mais de 400 clientes, entre os quais, empresas multinacionais que atuam no país. Além de ser uma mulher num terreno masculino, as origens de Dora não apontavam para um futuro promissor.


Negra, pobre, mãe analfabeta, pai trabalhador braçal, cinco irmãos, muitas bocas, pouca comida. "Tinha tudo para dar errado mesmo", conta sorrindo, "mas aprendi desde cedo que nada vem de graça. Sem esforço não há sucesso". Aprendeu a contar com a mãe, escolhendo feijão na mesa da cozinha, e logo percebeu que tinha facilidade com números.




Aos 15 anos de idade decidiu estudar contabilidade, não apenas por sua facilidade com as contas, mas porque era uma área que lhe permitia trabalhar sozinha, abrir um negócio próprio. A faculdade de ciências contábeis foi uma conquista suada depois de tardes, noites e finais de semana dedicados aos estudos. Sem dinheiro para o cursinho, reunia os amigos em casa e trocavam experiências.
 Ao sair o resultado do vestibular, procurou seu nome do 30º para baixo e achou que tinha sido reprovada. Para sua surpresa, e alegria, foi a 4ª colocada no concorrido curso da Universidade Mogi das Cruzes. Já na faculdade, começou a captar os primeiros clientes e logo deixou seu emprego. Nascia o embrião da sua empresa, a Fharos Assessoria Financeira, que cresceu e apareceu.

Pouco a pouco, quatro dos cinco irmãos juntaram-se a ela na empresa, mas sem regalias. "São meus funcionários e têm os mesmos direitos e deveres que todos os outros funcionários." Da infância pobre e das dificuldades vida afora, Dora procura não se lamuriar. "A dificuldade me ajudou a ser quem sou, a ter fibra.

Não cresci ouvindo que era linda, como as negras crescem hoje, não tive namorados na adolescência, porque ninguém queria namorar negras e, quer saber, nada disso me marcou, estou contando isso apenas para ilustrar que nada nem ninguém tem o poder de nos colocar para baixo quando temos consciência do nosso valor e do nosso potencial.

E eu sempre tive essa consciência. Por isso cheguei até aqui e vou além", afirma a moça, hoje empresária de sucesso e muito bem-amada, obrigada.

Flores e mais flores para nós mulheres, não somente neste dia, mas em todos os outros...

                     By Cris