Aqueles que não acreditam em mágicas, nunca irão encontrá-la.

domingo, 6 de julho de 2014

Ser forte, porque a vida exige isso de você...


phineas e ferb


De repente a sua vida vira de ponta cabeça.Você está em um lugar diferente, com outro tipo de pessoas , sem saber direito o que vai acontecer.
Minha filha sentiu dores fortíssimas, fomos para o hospital, e não sei como conseguimos chegar, ela praticamente chorando de dor, penso e chego a conclusão óbvia que foi Deus que nos levou até lá.Sendo do interior, nunca vi em minha vida um hospital daquele tamanho, percebi também de quantas coisas não tenho noção, desconhecendo totalmente como este mundo é complexo.
Aquela sala de espera lotada, e olhando para cada pessoa que ali estava, eu via, sentia a dor de cada um deles.Que lugar mais triste, e íamos conversando com aqueles que sentavam perto de nós. Quanta dor, sofrimento, angústia, dúvidas, medo, incertezas, como somos pequenos e frágeis.Mas o curioso é que, a pessoa chega ali com dor, fragilizada, espera horas, (nós ficamos ali oito horas para concluir o diagnóstico, o dela, apendicite) e quando ele chega por meio dos exames, mesmo tristes e desconsolados, vêm uma força que não se sabe de onde e enfrentamos o medo,como se tivéssemos uma espada em mãos e vamos cambaleando, sem se deixar cair, em busca do remédio que precisamos tomar para nos curar.
Num momento, não, em vários momentos, pensei: Senhor, o inferno deve ser assim... com seres morrendo de dor, desmaiando, recebendo diagnósticos terríveis... ouvimos cada história, que parei por um segundo, respirei fundo e perguntei a Ele:"Isso aqui é real? Existe tanta dor assim?" Se eu pudesse ter filmado o que é um Pronto Atendimento em um hospital daquela proporção, em uma ala de emergência, com certeza quando chegasse em casa excluiria o vídeo.
E sentada ali em frente à porta de entrada olhava a escuridão da madrugada lá fora e pensava comigo:"nem sei aonde estou e se precisar sair daqui não tenho idéia para onde vou".Mas precisei deixar minha bebê sozinha ali, para ser internada, porque meu neto estava em casa, peguei um táxi e por 25 minutos fiquei rodando pelas ruas de São Paulo, com o meu coração triste, e eu num total silêncio mergulhei fundo dentro de mim mesma, sem pressa, com determinação, em total sintonia com o meu coração, para poder ouví-lo... e consegui escutá-lo, bem baixinho, ele foi me acalmando... dizendo, fique tranquila, tudo vai dar certo!Confia!
E hoje estou aqui esperando o momento dela ser operada, meio anestesiada, mas já falei por duas vezes com ela, por telefone, e tentei passar tudo que tenho de melhor para ela, o meu amor, o meu carinho e a minha paz.
Por Cris.