Aqueles que não acreditam em mágicas, nunca irão encontrá-la.

segunda-feira, 14 de abril de 2014

Um amor de mãe...

Ah nem sei porque vou falar dela de novo, quer dizer, eu adoro falar dela, mas é que vocês podem dizer, ai de novo? hahahaha mas é tão bom né? Hoje lembrei dela.da carinha dela.Dos olhinhos dela e o quanto existia de amor quando olhavam pra mim. Grande parte da minha vida minha mãe trabalhou no Bar que eles tinham em Guaratinguetá... eu saia ganhando porque tive a oportunidade de ficar com ela o dia todo, ao contrário de outras crianças, eu tinha ela inteirinha pra mim, e foi com ela que aprendi a trabalhar desde pequena, pequenininha mesmo, já conseguia compreender toda a sua batalha para me oferecer o melhor que podia. E sei que sou hoje, sem sombra de dúvidas, reflexo da força dessa mulher maravilhosa que ela foi.

A noite assistíamos juntinhas Tv
Ela fazia meu leite quente com açúcar queimado
Fazia a melhor macarronada do mundo
Amarrava o lenço com álcool no meu pescoço quando a tosse era demais


Dona do bolo  de chocolate mais gostoso do mundo
E que me ensinou a jogar "Buraco"

Era ela...
Que me fez ficar fera no jogo de Damas
Que tinha o colo mais macio de todos, o mais aconchegante
E que me ensinou na adolescência o poder de um batom e o pó de arroz... rs


Era ela...
Que me ensinou a rezar, a acreditar em Deus
que pagou mensalidades caras para que eu tivesse o melhor colégio
A cozinhar, apesar de eu não gostar, aprendi a fazer bolinhos de arroz.
E também a me comportar como gente, ser educada, atenciosa.

Era ela...
Que costurava as roupas que eu saia nos finais de semana.
Que bordava lantejoulas nas minhas fantasias de carnaval.

Que graciosamente chamava requeijão, de "queijinho de copo"
e sabia, como ninguém falar de amor.
Ela era amor.Este mesmo amor que sinto em meu coração, até hoje.



Por Cris.